quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Parece esquecer

     "Não choro mais. Na verdade, nem sequer entendo porque digo mais, se não estou certa se alguma vez chorei. Acho que sim, um dia. Quando havia dor. Agora só resta uma coisa seca. Dentro, fora."

     "Não se preocupe, não vou tomar nenhuma medida drástica, a não ser continuar. Tem coisa mais auto destrutiva do que insistir sem fé nenhuma? Ah, passa devagar a tua mão na minha cabeça, toca meu coração com teus dedos frios, eu tive tanto amor um dia."

     "Sim, tenho vontade de me jogar pela janela, mas nunca foi possível abri-la. Não, não sei o que gostaria que você me dissesse. Dorme, quem sabe, ou está tudo bem, ou mesmo esquece, esquece."

Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário: